quinta-feira, 2 de março de 2017

Quando as palavras fogem, as flores falam.
Bruce W. Currie

terça-feira, 15 de março de 2016

Um Caipira




A ROÇA
Aqui na roça nóis si deita
sempre muito agarradinho
nóis si inrósca, si ajeita,
passa a noite coladinho
Nossa cama di madêra
é ondi nóis faiz o ninho
i passa a noiti intêra
trocanu nossos carinho
Nóis véve cum amô
Anqui na nossa paióça
cum as bença di nosso sinhô
cuidâno da nossa roça
Quanu di noite esfria
Nós ajunta us cubertô
i juntinho si inrudia
tocanu nosso calô
I ansim nós passa a vida
eu i minha companhêra
às veiz nóis inté qui briga
mais é coisa passagêra
Adespois vem a vontade
di dá uns beijo moiádo
i nu finzinho da tarde
nóis fica juntinho agarrado.
POEMAS CAIPIRA 

domingo, 3 de janeiro de 2016

O Bicho

O Bicho


“Vi ontem um bicho
Na imundície do pátio
Catando comida entre os detritos.

Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava:
Engolia com voracidade.

O bicho não era um cão,
Não era um gato,
Não era um rato.

O bicho, meu Deus, era um homem”.
Manuel Bandeira

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Uma praia



"Nas ondas da praia 
Nas ondas do mar 
Quero ser feliz 
Quero me afogar. 

Nas ondas da praia 
Quem vem me beijar? 
Quero a estrela-dalva 
Rainha do mar. 

Quero ser feliz 
Nas ondas do mar 
Quero esquecer tudo 
Quero descansar."

Manuel Bandeira


"Tudo que é novo incomoda. A vida nos pega desprevenidos e nos obriga a caminhar para o desconhecido mesmo quando não queremos, quando não precisamos. "

Paulo Coelho



" Se você quer o arco-íris, você tem que suportar a chuva."
Dolly Parton

Menino pescador


"Menino caçador Flecha no mato bravio Menino pescador Pedra no fundo do rio..."
Clara Nunes

Os Patos


“A erva está sempre a favor do vento, diz o Santiago, como a água do lago, que tem as suas rugas molhadas sempre na mesma direção. Mas já os patos gostam de contrariar o vento, orgulhosos, de bico no ar, de rabo a dar a dar, vão na direção contrária às folhas secas que poisam nas águas e navegam. Como barcos, diz a Laura. Como sonhos que não se afogam, diz o Santiago. Mas algumas folhas, encharcadas, essas sim, vão ao fundo das águas. Parecem estrelas-do-mar, diz a Laura. Parecem beijos úmidos, diz o Santiago assaltando-lhe os lábios…” 

[In: Diário dos Imperfeitos]
- João Morgado




Ócio


O sapo, num salto,
Cresce ao lume do crepúsculo
Buscando a manhã
Zemaria Pinto

domingo, 5 de maio de 2013

Dona Deolinda

Essa é Dona Deolinda, mulher de fé, trabalhadeira, curtida na lida do dia-a-dia do sertão. Contou-me que teve onze filhos, mas que Deus levou dois deles. Se casou duas vezes quando só se casava uma, pois ninguém queria e na boca do povo vira meretriz. Apesar de tudo nunca se entregou as mazelas do destino.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

Catedral

      Um monte de pedras deixa de ser um monte de pedras no momento em que um único homem o contempla, nascendo dentro dele a imagem de uma catedral.
Antoine de Saint-Exupéry

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

O caminho

O Caminho da Vida

        O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém nos extraviamos.A cobiça envenenou a alma dos homens... levantou no mundo as muralhas do ódios... e tem-nos feito marchar a passo de ganso para a miséria e morticínios.

        Criamos a época da velocidade, mas nos sentimos enclausurados dentro dela. A máquina, que produz abundância, tem-nos deixado em penúria.

      Nossos conhecimentos fizeram-nos céticos; nossa inteligência, empedernidos e cruéis. Pensamos em demasia e sentimos bem pouco.

      Mais do que de máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que de inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo será perdido.

(O Último discurso, do filme O Grande Ditador)
Charles Chaplin

domingo, 16 de setembro de 2012

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Casinha Branca - Tela do Esboço Paraíso


Casinha Branca
Tenho andado tão sozinho ultimamente
Que nem vejo em minha frente
Nada que me dê prazer

Sinto cada vez mais longe a felicidade
Vendo em minha mocidade
Tanto sonho perecer

Eu queria ter na vida simplesmente
Um lugar de mato verde
Pra plantar e pra colher

Ter uma casinha branca de varanda
Um quintal e uma janela 
Para ver o sol nascer

Às vezes saio a caminhar pela cidade
À procura de amizade
Vou seguindo a multidão

Mas eu me retraio, olhando em cada rosto
Cada um tem seu mistério
Seu sofrer, sua ilusão
José Augusto

domingo, 15 de julho de 2012

Presente

Aliança 
De alguma maneira hoje

Quero sempre me casar com voce...

Para mim este amor é diferente, não é de papel passado,

É amor de papel presente.
Elisa Lucinda

quinta-feira, 12 de julho de 2012

Sonho de Luíza

Sonho 
Um poema que ao lê-lo, nem sentirias que ele já estivesse escrito, mas que fosse brotando, no mesmo instante, de teu próprio coração.


Mario Quintana

segunda-feira, 9 de julho de 2012

Anão?

Olhei pra grama, acho que vi um rato ou será um gato, um inseto ou um papel no chão, talvez um gnomo, leprechaun ou apenas um anão, não, era  uma mera ilusão, era um porre tomado e minha cara no chão.

Fruto Estranho

Strange Fruit
Southern trees bear strange fruit,
Blood on the leaves and blood at the root,
Black bodies swinging in the southern breeze,
Strange fruit hanging from the poplar trees.
Pastoral scene of the gallant south,
The bulging eyes and the twisted mouth,
Scent of magnolias, sweet and fresh,
Then the sudden smell of burning flesh.
Here is fruit for the crows to pluck,
For the rain to gather, for the wind to suck,
For the sun to rot, for the trees to drop,
Here is a strange and bitter crop.
Song by Billie Holiday

sábado, 16 de junho de 2012

Il primo olio - una natura morta.

"Como é estranha a natureza morta dos que não tem dor. Como é estéril a certeza de quem vive sem amor..."
Cazuza

quarta-feira, 4 de abril de 2012

sexta-feira, 30 de março de 2012

terça-feira, 27 de março de 2012

Lápis&Caneta I

São muitos os que seguram uma caneta ou um lápis, mas são poucos os que sabem usá-los como objetos de materializar uma idéia ou um pensamento.

Alvaro Granha Loregian



quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

O Pescador


O Pescador

O sol, o sal e o mar.
A praia de areias douradas
O peixe na mesa
O pão de cada dia

A lua cheia
A imensidão azul
As estrelas
O ciclo das marés

A ilha distante
O vento forte
A canoa quebrada
Os riscos

A sensação do prazer
O homem nas mãos de Deus
O pescador

terça-feira, 13 de setembro de 2011

sábado, 30 de julho de 2011

Anjo

Cair, é a primeira e a última sensação que um anjo sente.
Gabriel - A Vingança de Um Anjo

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Tal filha, tal pai.

O desenho da esquerda foi feito pela minha filha aos três anos de idade, à direita a versão "traduzida".
"Declare aos seus filhos que eles não estão no rodapé da sua vida, mas nas páginas centrais da sua história."
Augusto Cury



quinta-feira, 30 de junho de 2011

Recordação II

Outra da velha pasta
A recordação é ativa. Não é um objecto perdido que se encontrou. Ela faz crescer a massa do presente e do futuro.
Jacques Bossuet

sábado, 25 de junho de 2011

Beijos 2

Vivemos em um mundo de diferenças que devem ser tratadas com igualdade.
Marcelo Feitosa Pereira

quarta-feira, 22 de junho de 2011

O Nu

Dá-me hoje a tua nudez,
A tua nudez faminta,
A tua nudez húmida e rasgada,
Marcada por entre veias e carnes,
Nos pactos esquecidos,
De todos e outras juras,
Destrancada de almas e corpos,
Nos sonhos destruídos,
Dos meus e dos teus Desejos...

segunda-feira, 20 de junho de 2011

Nu VIII - Ódio Mortal

Tenho um ódio mortal de toda roupa feminina,
especialmente das mais insinuantes e das lingeries.
É um ódio tal que me consome,
que só me apetece arrancar logo estas peças
do corpo de minha amada,
quer seja com as mãos,
quer seja com os dentes...
Augusto Branco

sábado, 18 de junho de 2011

NU VII - No quarto

Os olhos no teto, a nudez dentro do quarto; róseo, azul ou violáceo, o quarto é inviolável."
Raduan Nassar

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Nu VI - Vontade


Vontade

Despida de roupa
e de falsidade
quero a nudez pura
na plenitude da tua pele
acesa
Quero-te assim
iluminada e tensa
como quem pensa
que me pode perder
e só me tem a mim
Edgardo Xavier

terça-feira, 14 de junho de 2011

NU V - A Palavra

 
Amor da palavra, amor do corpo


A nudez da palavra que te despe.
Que treme, esquiva.
Com os olhos dela te quero ver,
que não te vejo.
Boca na boca através de que boca
posso eu abrir-te e ver-te?
É meu receio que escreve e não o gosto
do sol de ver-te?
Todo o espaço dou ao espelho vivo
e do vazio te escuto.
Silêncio de vertigem, pausa, côncavo
de onde nasces, morres, brilhas, branca?
És palavra ou és corpo unido em nada?
É de mim que nasces ou do mundo solta?
Amorosa confusão, te perco e te acho,
à beira de nasceres tua boca toco
e o beijo é já perder-te.

António Ramos Rosa

domingo, 12 de junho de 2011

sexta-feira, 10 de junho de 2011

NU III - Percepção

A beleza de um corpo nu só a sentem as raças vestidas. O pudor vale, sobretudo, para a sensibilidade como o obstáculo para a energia.
Fernando Pessoa

quarta-feira, 8 de junho de 2011

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Nu I - Em minha mente

Tão nua e demente, tão poluída quanto inocente, tão tola e inconseqüente, tão bonita e tão insistente, és tu de quem falo, minha mente.

domingo, 22 de maio de 2011

Borboleta - um ensaio policromático


Passa uma Borboleta

Passa uma borboleta por diante de mim
E pela primeira vez no Universo eu reparo
Que as borboletas não têm cor nem movimento,
Assim como as flores não têm perfume nem cor.
A cor é que tem cor nas asas da borboleta,
No movimento da borboleta o movimento é que se move,
O perfume é que tem perfume no perfume da flor.
A borboleta é apenas borboleta
E a flor é apenas flor.


Beijos I


“O Sonho da igualdade só cresce no terreno do respeito pelas diferenças.”

sexta-feira, 13 de maio de 2011

M. Monroe

 

Sou egoísta, impaciente e um pouco insegura. Cometo erros, sou um pouco fora do controle e às vezes difícil de lidar, mas se você não sabe lidar com o meu pior, então com certeza, você não merece o meu melhor!

Minha Medusa

Medusa feria de paralisia
aqueles que ousassem lhe erguer o olhar,
tornava-os mármore e granito.
Eu consigo entendê-la.

Aqueles que paralisam-me com o olhar
para num delírio me ousarem ferir,
tornam meu coração granito,
Mas é inversa a transformação.

Sigo o mesmo, e eles não.
Tornan-se letras e palavras de inspiração.
Subjulgados a minha vontade implícita.
São agora meus textos, poemas.

São meus homens pretextos.
Só não sei se sou medusa,
ou se sou espelho...

terça-feira, 10 de maio de 2011

CTPS6873

Fera Ferida (trechos)

Eu sei!
Quanta tristeza eu tive
Mas mesmo assim se vive
Morrendo aos poucos por amor

Eu sei!
O coração perdoa
Mas não esquece à toa
E eu não me esqueci...

Eu sei!
Que flores existiram
Mas que não resistiram
A vendavais constantes

Eu sei!
Que as cicatrizes falam
Mas as palavras calam
O que eu não me esqueci...
Roberto Carlos

segunda-feira, 4 de abril de 2011

sábado, 2 de abril de 2011

SIMPLICIDADE

 Rachel Williams - Playboy 1992

 " A      perfeição não é alcançada quando já não há mais nada para adicionar, mas quando já não há mais nada que se possa retirar."

quinta-feira, 31 de março de 2011